Conhecendo os aplicativos do Linux

Algo muito interessante nas distribuições Linux é o fato de que elas incluem não só o sistema operacional propriamente dito, mas também uma série de aplicativos práticos e cheios de recursos. Ou seja, ao instalar um pinguim qualquer você vai encontrar um mundo de aplicações para sair usando. É provável que se pergunte: por que no ambiente Windows não ocorre o mesmo? … No Ubuntu, você pode acessar esse conjunto de softwares a partir no menu Aplicativos, ao lado do logotipo em cima à esquerda da tela. Dentre as aplicações padrão, você irá encontrar:

  • OpenOffice.org, um pacote de produtividade para escritório
  • O navegador Mozilla Firefox
  • Evolution, programa de e-mail similar ao Outlook
  • O Gimp, programa de manipulação gráfica nos moldes do Adobe Photoshop
  • O Rhythmbox, tocador de mídia equivalente ao iTunes ou ao Windows Media Player

E se não for o suficiente pra você, dá pra adicionar outros. Na verdade, há um substituto no Linux para quase todos os programas do Windows e do Mac OS X. Na parte de baixo do menu Aplicativos, você vai ver uma opção que diz Adicionar/Remover. Clicar nele faz abrir uma janela de navegação com todos os softwares disponíveis na distribuição que você instalou. Para baixar e instalar novos aplicativos pela Internet é só marcar as respectivas caixas e clicar em Aplicar mudanças. Ao final, o novo software vai aparecer na devida categoria do menu Aplicativos após ser automaticamente instalado. Nota: Esse método de instalação fácil funciona apenas para os softwares mais populares, mas muitos outros estão disponíveis. Quando você estiver conectado à Internet, o sistema irá alertá-lo periodicamente sobre atualizações e patches de segurança para os programas instalados. Aplicar esses updates é simples: basta clicar no ícone de alerta, e o Gerenciador de Atualizações irá se abrir. Ele permite que você examine os patches disponíveis; baixar e instalá-los é questão de um clique. Muitas vezes nem precisa dar reboot.

< Anterior 1 2 3 4 5 6 Próximo >

No Responses

  1. Pingback:
    Fatal error: Uncaught Error: Call to undefined function get_comment_author() in /home/tetera/www/wp-includes/comment-template.php:233 Stack trace: #0 /home/tetera/www/wp-includes/comment-template.php(294): get_comment_author_link('6467') #1 /home/tetera/www/wp-content/themes/mts_sociallyviral/functions.php(1023): comment_author_link() #2 /home/tetera/www/wp-includes/class-walker-comment.php(183): mts_comments(Object(WP_Comment), Array, 1) #3 /home/tetera/www/wp-includes/class-wp-walker.php(147): Walker_Comment->start_el('', Object(WP_Comment), 1, Array) #4 /home/tetera/www/wp-includes/class-walker-comment.php(139): Walker->display_element(Object(WP_Comment), Array, '5', 0, Array, '') #5 /home/tetera/www/wp-includes/class-wp-walker.php(390): Walker_Comment->display_element(Object(WP_Comment), Array, '5', 0, Array, '') #6 /home/tetera/www/wp-includes/comment-template.php(2391): Walker->paged_walk(Array, '5', 0, 0, Array) #7 /home/tetera/www/wp-content/themes/mts_sociallyviral/comments.php(30): wp_list_comments('callback=mts in /home/tetera/www/wp-includes/comment-template.php on line 233